quinta-feira, 22 de maio de 2014

EXEMPLO DO PARANÁ PODE-SE INVESTIR NO USO DE TECNOLOGIAS PARA ALFABETIZAÇÃO DE POVOS ITINERANTES.

Ensino

16/05/2014

Uso de tablets na Apae facilita aprendizado dos alunos


A tecnologia se tornou uma importante aliada importante no atendimento educacional da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Cascavel, onde estudam quase 500 alunos. A escola, conveniada com o Governo do Estado, implantou o projeto Comunicação Alternativa, com uso de tablets e de um software especial para trabalhar a comunicação com alunos que têm dificuldades e limitações na linguagem.

Com os novos recursos, a equipe multiprofissional da Apae incentiva o aluno a se comunicar e a demonstrar o que ele quer fazer, o que quer comer e a expressar os sentimentos. “Isso melhora a autoconfiança, a autoestima e a independência do aluno, pois muitas vezes, na intenção de facilitar a vida do aluno com deficiência, o adulto tira a possibilidade de escolhas da criança, fazendo por ela a seleção que acha necessária”, disse a psicóloga Eveline Mara Schreiner.

O projeto é bem aceito pela equipe da Apae e também pelos pais dos alunos. “Alguns pais já compraram tablets e o programa para utilizá-lo em casa com os filhos porque eles perceberam a facilidade que a tecnologia proporciona na comunicação e no desenvolvimento da criança”, contou a fonoaudióloga Vanilza Sutana Braz Pinto.

A ideia de usar os dispositivos foi de Vanilza e de Eveline durante um congresso em Gramado, no Rio Grande do Sul. Lá, elas conheceram o programa VOX 4ALL, que possibilita a criação de mecanismos de comunicação entre aluno e professor por meio do tablet.

A Apae conta com 29 aparelhos, a maior parte adquirida com verba do Fundo Estadual para a Infância e Adolescência (FIA), por meio de projeto enviado ao Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca), ligado à Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social.

Antes do projeto Comunicação Alternativa, a Apae usava a forma individualizada de terapias. “Tínhamos que confeccionar materiais, como a pasta com imagens indicativas do sistema de comunicação por troca de figuras. Mas, mesmo com o tablet, não abandonamos os demais métodos, que também são importantes”, disse Vanilza.

APOSTILAS – Outro projeto da Apae de Cascavel é o das apostilas pedagógicas das disciplinas adaptadas à educação especial. As apostilas de Língua Portuguesa e de Matemática já estão sendo usadas. Foram impressos, com apoio e parceria da Itaipu Binacional, 100 exemplares de cada disciplina. Estão em fase de elaboração apostilas de Ciências, História e Geografia.

As apostilas são usadas por alunos na fase de alfabetização que têm deficiência intelectual ou múltiplas deficiências. Os conteúdos seguem o Plano de Trabalho Docente, Projeto Político-Pedagógico e contam com sugestões de professores da Apae, especialistas em Educação Especial.

A coordenadora do projeto, a pedagoga Maria de Fátima da Silva Eckstein, explica que o livro didático comum não atende às necessidades do aluno especial. “As apostilas simplificaram as ideias e os conceitos, tornando mais fácil a alfabetização e a aprendizagem dos nossos alunos. Os resultados têm sido percebidos pelos pais, professores e, principalmente, pelos alunos que, demonstram alegria quando aprendem algo novo que antes eles não conseguiam compreender”, avalia Maria de Fátima.

A professora Caroline Zanoni Silva confirma a avaliação de Maria de Fátima. “As apostilas facilitaram o nosso trabalho. Com elas, conseguimos nos orientar melhor para trabalhar os conteúdos com os alunos. Percebo que eles têm demonstrado mais interesse em aprender. Isso pode ser percebido até mesmo pela maneira como eles cuidam do material”.

Ângela Maria dos Santos Souza Mayer é mãe do aluno Leonardo Vinícius de Souza Brunetta, de 14 anos, atendido pela instituição. Ângela constatou o avanço do filho no aprendizado depois que ele passou a usar as apostilas e os tablets. “Hoje ele consegue escrever, fazer a junção das palavras e ler, coisas que há anos a gente lutava para que ele conseguisse e não via avanço. O método que a Apae de Cascavel aplica com os alunos é maravilhoso”, comemorou a mãe.
http://www.educacao.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=5351&tit=Uso-de-tablets-na-Apae-facilita-aprendizado-dos-alunos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A todos os blogueiros que respeitam a diversidade étnica e cultural...E querem
falar sobre preconceito,discriminação e racismo sofridos pelo Povo Romani, Os assim chamados ciganos.Bem vindos ao blog Cultura Cigana